RITOS PRATICADOS NO BRASIL E NA AMERICA LATINA

RITOS MAÇÔNICOS PRATICADOS NO BRASIL

E NA AMERICA LATINA





Rito Adonhiramita



O Rito Adonhiramita foi criado em 1738 com a publicação definitiva em 1744 (Catéchisme des Francs-Maçons) por Louis Antoine Travenol, que usava o pseudônimo (nome histórico) de Abade Leonard Gabanon, sendo reformado por Louis Theodore Henri Tschoudy (Barão de Tschoudy), (1752-1769) com a participação ativa de Jean Baptiste Thomas Pirlet; e uma segunda reforma por Louis Guillemain Saint-Victor, (1782-1785); o Rito Adonhiramita é um sistema maçônico cuja à história é quase impossível fazer-se por falta de documentos históricos. O Rito Adonhiramita atualmente é praticado no Brasil, França, Portugal e Uruguay.



Rito Escocês Antigo e Aceito



De origem operativa, praticado também pelos integrantes da Grande Loja dos “ Modernos “ de Londres, pelo Grande Oriente Maçônico para os Países de Língua Portuguesa e pela Grande Loja Geral Escocesa. Em Paris, A Grande Loja Geral Escocesa de Paris, em 1804, uniu particularidades do Rito Antigo Aceito, com a natureza hebraica do Rito de Perfeição e organizou um novo ritual para os graus ditos simbólicos do Rito Escocês Antigo e Aceito.


O Rito Escocês Antigo e Aceito ou R.˙.E.˙.A.˙.A.˙. é um Rito dentro da Maçonaria, que deriva do Rito de Heredom e da época da fuga dos Cavaleiros Templários para a Escócia. Ligados ao Antigo Testamento e à lenda de Hiram (lenda base da Maçonaria simbólica), julga-se que alguns dos ritos descritos eram praticados por outras ordens secretas existentes em França, como os Martinistas, na Alemanha, ou os Rosa-Cruz, e na Escócia, como os Templários (estes refugiados nesse país depois da sua perseguição nos Grêmios ou Lojas da classe profissional dos Pedreiros Livres aí existentes). O rito é composto de três graus simbólicos e trinta filosóficos.


Os graus referidos como Filosóficos, são graus elevados e em número de trinta e três, onde a filosofia e a moral são estudadas simbolicamente, em cada grau, com lendas ou mitos a estes associados. Os graus elevados Filosóficos são geridos por vários Supremos Conselhos, que têm como objetivo manter a uniformidade mundial dos rituais e dos métodos utilizados.


O termo "escocês" tem deixado dúvidas quanto à origem do Ritual. Muita gente acredita que, pelo seu nome, ele surgiu na Escócia. Outros acreditam ainda que os principais de seus graus só podem ser auferidos naquele país.


Na realidade as primeiras referências a este Ritual aparecem na França e os seus registros são franceses. Tudo ocorreu porque no final do século 17, vários maçons escoceses fugiram para a França em virtude de uma série de convulsões sociais que aconteceu nas Ilhas britânicas. Certamente que o tipo de cerimonial que utilizavam durante as reuniões que praticaram ficou definitivamente marcado como Ritual dos Escoceses ou Rito Escocês.



Rito Escocês Retificado



Rito de correta ritualística tradicional francesa com uma boa base de complemento Cavalheiresco Templário. O Rito Escocês Retificado é também conhecido como Rito de Willermoz, em alusão ao seu criador, Jean Baptiste de Willermoz (Lyon,1730- Lyon,1824), que foi iniciado na maçonaria aos 20 anos de idade em uma loja que funcionava sob os auspícios da Estrita Observância Templário.


A intenção de ter um Rito Escocês Retificado seria trazer de volta antigas influências dos Cavaleiros Templários, como um rito de cavalaria, também de um antigo rito chamado Rito de Heredom. Segundo Willermoz o Rito havia se descaracterizado com o tempo, perdendo assim sua identidade original como um Rito de Cavaleiros.



Rito de York



O Rito de York é o rito predominante da Maçonaria Norte Americana. Sob sua égide se desenvolveram líderes da sociedade estadudinense nos princípios do Amor Fraternal, Auxilio e Verdade. Estudiosos afirmam que este rito tem origens iluministas. O Rito de York, por ser teísta, está mais ligado aos países onde os cultos evangélicos predominam, pois o clero desses cultos tem dado à Maçonaria o apoio e o suporte necessário para a sua evolução e crescimento.


O Rito de York foi fundado no ano de 1799, tendo como organizador e fundador principal o Irmão Thomas Smith Webb. É justamente este irmão, que deu a estrutura e doutrina filosófica com os seus respectivos procedimentos gerais ao sistema maçônico que pode ser identificado pelo nome genérico de "Rito Americano" ou "Rito de York".



Rito Schröder



O Rito Schröder é um ritual maçônico utilizado amplamente nas lojas da Alemanha. Criado por Friedrich Ulrich Ludwing Schroder, que foi um dos reformadores da Maçonaria Alemã, e submetido aos Mestres de Hamburgo em 29 de junho de 1801, que o adotaram por unanimidade, desde logo, conquistou numerosas lojas em toda a Alemanha e em outros países, onde passou a ser praticado, principalmente, por maçons de origem alemã e logo recebeu o cognome de seu fundador.


O rito Schröder é erroneamente confundido e chamado por alguns de "rito escocês retificado ou rito escocês simplificado". Outros atribuem a pecha de seu criador supostamente denominado "Schröder o Cagliostro da Alemanha” e afirmam que o seu ritual é místico, eivado de alquimia, magia e outras titulações, totalmente em oposição ao seu propósito.


Rito Brasileiro



O Rito Brasileiro foi reconhecido e incorporado oficialmente pelo Grande Oriente do Brasil em 1914, quando era Grão-Mestre Lauro Sodré.


Teve curta duração inicial, ficando sem uso até meados da década de 1940. De 1940 até a década de 1960, houve várias tentativas de reerguer o Rito, porém sem sucesso. Somente em 1968, sendo Grão-Mestre o professor Álvaro Palmeira, este Rito foi regularizado, sendo praticado por várias Lojas até aos dias atuais. Adota a legenda Urbi et Orbi (até então usada privativamente pela Igreja Romana), que significa sua atuação nacional e internacional.


Tal como o Rito Escocês Antigo e Aceito, adota o sistema de 33 graus em seus ensinamentos, com três graus simbólicos e trinta graus filosóficos, mas com a diferença de que seus graus ditos filosóficos estudam temas atuais e relevantes.



Rito Moderno ou Francês



É um rito laico da maçonaria que abriga diversas formas de filosofias como o "deísmo, panteismo e o agnosticismo", com grande difusão e prática no continente europeu, onde é conhecido usualmente por Rito Francês e também por Rito Francês Moderno.

O nome deve-se à adoção do Ritual da "primeira" Grande Loja de Londres, dita dos Modernos (conhecem-se os rituais desta primeira Grande Loja, através duma obra publicada em 1730 com o nome de "Masonry Dissected" e que provocou enorme escândalo e alarido na época ao revelar publicamente estes rituais) e que foi traduzido para utilização das primeiras Lojas Simbólicas em França, assim o Rito dos "modernos" é traduzido para francês e passa a denominar-se, por facilidade e abreviação de Rito Francês ou Rito Moderno (neste último caso nos países anglo-saxónicos e na américa latina), em vez de Rito Francês ou Moderno, como é a sua designação correta, principalmente a partir de 1801, quando o Grande Oriente de França publica o "Régulateur du Maçon" para utilização nas Lojas Simbólicas.


Se citamos uma "primeira" Grande Loja, é porque na maçonaria Inglesa se vai assistir em 1751 ao aparecimento de uma "segunda" Grande Loja, esta Grande Loja, dita dos "Antigos Maçons" apresenta-se como congregando os Maçons fiéis aos "antigos costumes", entre outras coisas critica a "primeira" Grande Loja, dita dos "Modernos", por introduzir inovações e modificações aos Rituais nomeadamente para despistar os profanos que eventualmente tenham lido o livro "Masonry Dissected", estas rivalidades e as suas querelas ou controvérsias bem como os anátemas entre estas duas Grandes Lojas, fazem parte da história da maçonaria Inglesa até 1813, data a partir da qual se fundem, não na sua totalidade, sob a pressão do poder político para criarem a actual Grande Loja Unida de Inglaterra.



Rito de Memphis



Em 1814 o Irmão Samuel Honis introduziu o Rito na França. A primeira Loja do Rito foi fundada em Montauban a 30 de abril de 1815, pelos Maçons Marconis de Négre, Baron Dumas, Marquis de Laroque e Hipólito Labrunie. Esse rito tem acentuada característica filosófica e hermética.



Rito de Memphis-Misraim



Rito criado a partir da fusão do Rito de Memphis com o Rito de Misrain. Em 1881, o general italiano Giuseppe Garibaldi, reuniu os Ritos de Memphis e Misraïm e se tornou o Grande Hierofante de ambos. Após a morte de Garibaldi, em 1882, os Ritos entraram em um período "obscuro" até que, em 1890, várias lojas de ambos os Ritos foram reunidas e surgiu o Rito de Memphis-Misraïm. Em 1900, para a liderança do Memphis-Misraïm foi indicado o italiano Ferdinando Francesco degli Oddi que foi substituído, em 1902, pelo inglês John Yarker. O Rito chegou aos 97 graus. É um rito adotado pela maioria das lojas mistas. Esse rito não é praticado pelas potencias regulares.


O Rito Eclético Uruguaio


A Maçonaria Eclética Uruguaia


A Maçonaria Eclética Uruguaia ou Rito Eclético Uruguaio é um sistema maçônico tradicional, elaborado a partir dos antigos rituais do Rito Eclético Filosófico do Baron Von Ditfurth, compilado em 1776 e publicado na Alemanha em 1779, cumprindo fielmente os antigos Landmarks e as doutrinas da maçonaria antiga e regular.


O Rito Eclético Uruguaio (Rito Ecléctico Uruguayo) foi editado seus primeiros rituais em 1882, a partir das doutrinas e métodos filosófico e ritualístico compilado pelo Barão de Ditfurth e Barão de Knigge.

No sistema Eclético, a Igualdade e a Liberdade são direitos essenciais que o homem, na sua perfeita e original primitiva forma recebeu da natureza, sendo ele livre para escolher o seu próprio caminho. Assim, o maçom pode decidir qual caminho trilhar, quando começar a obra, remodelar ou acabar, utilizando suas próprias aspirações.

A História do Rito Eclético na Alemanha

Rito Eclético Filosófico

O Sistema da Maçonaria Eclética ou Rito Eclético foi compilado em 1776, a principio com quatorze graus pelo Barão de Ditfurth (Franz Dietrich von Ditfurth: 1738, Dankersen, Alemanha – 1813, Weser, Alemanha), sendo publicado em 1779, em Frankfurt, não prosperando no primeiro momento na Alemanha.

Entre 1781 a 1783, o Barão de Ditfurth resolveu reformar e reestruturar o rito em parceria com Johann Karl Brönner, (Johann Ludwig Karl Brönner: 1 de julho de1738, Frankfurt, Alemanha - 22 de março de 1812, Frankfurt, Alemanha) e o Barão de Knigge, mudando radicalmente sua estrutura. A partir de então, os graus simbólicos passou a ter destaque no Sistema da Maçonaria Eclética.

A Reforma do Rito Eclético

Barão de Knigge, (Freiherr Adolph Franz Friedrich Ludwig Knigge: 16 de outubro de 1752, Wennigsen, Alemanha - 6 de maio de 1796, Brémen, Alemanha), em 1782, logo após o Congresso em Wilhelmsbad, reformou o “Rito Eclético Filosófico” (criado em 1779 pelo Barão de Ditfurth), em conformidade com as normas e diretrizes da maçonaria regular. Separou os graus simbólicos dos graus filosóficos, excluindo dos rituais as especulações do hermetismo, templarismo e ideias cabalísticas incluídas nos seus traçados que nada tinha haver com a Ordem, trazendo de volta à pureza primitiva e genuína, restando tão somente à pura essência maçônica estabelecida conforme os antigos Landmarks e os regulamentos da maçonaria inglesa.


Os graus simbólicos para Knigge, Ditfurth e Brönner, representavam a mais pura maçonaria, sendo o alicerce de toda Estrutura Eclética, representando ainda, a “Evolução Racional da Espécie Humana”.

Nos dias 18 e 21 de março de 1783, as Grandes Lojas Provinciais de Frankfurt e de Wetzlar, encaminharam Pranchas Circulares Ecléticas a todas as lojas alemãs, com os quinze pontos que regulamentava a Maçonaria Eclética. Nesta prancha, ficaram definido os direitos e deveres de cada alojamento e de cada obreiro. No artigo 3º da referida circular, ficou regulamentado que as Lojas definiriam quais e quantos graus superiores seriam instalados. O projeto da prancha circular foi elaborado pelo Irmão Johann Karl Brönner, obtendo sucesso, diversos alojamentos aderiram a Sistema Eclética.

A Constituição do Ecletismo dava plena independência a suas Lojas a trilhar a estrada da filosofia em separado da base simbólica. Assim, o Sistema Eclético, ou simplesmente “Rito Eclético”, permaneceu com seus graus reformados e adaptados a franco-maçonaria especulativa e regular.

A Maçonaria Eclética e as Grandes Lojas de Frankfort e Hamburgo

A Maçonaria Eclética se estabeleceu em 1783, a princípio na Alemanha, no seio das Grandes Lojas de Frankfurt e Hamburgo, sendo organizadas posteriormente as grandes lojas provinciais ecléticas em Frankfort, Hambugo, Wilhelmsbad e Wctzlar. O Rito foi bem sucedido também na Polônia, Nápoles, Dinamarca e França, mas, não prosperou nos demais países da Europa naquela ocasião, como era esperado pelos Barões de Knigge e Ditfurth. Além dos países citados, o rito foi praticado nas Américas por Grandes Lojas e Grandes Orientes regulares.


O Rito Eclético deu origem ao Sistema Retificado também conhecido com Rito da Ordem dos Cavaleiros da Cidade Santa, fundado na França em 1784, e também ao Rito de Schroeder, além de influenciar outros sistemas maçônicos alemães e franceses.

A Fundação do Grande Capítulo da Maçonaria Eclética

Separados o filosofismo do simbolismo no sistema eclético, e definido a sua base, diversos alojamentos ecléticos continuaram a trabalhar no filosofismo, afim de estabelecer relações com os demais Autos Corpos estrangeiros. Alguns corpos foram instalados na linhagem inglesa e outros na escocesa. Um grupo de maçons de diversas lojas resolveram reorganizados os graus filosóficos compilados por Ditfurth antes da reforma, sendo selecionados dos sistemas escocês e inglês graus genuínos que mantinha os princípios da maçonaria especulativa aplicada ao crescimento e a evolução do Homem, tendo ênfase e destaque os graus de “Cavaleiros Rosa-Cruz e Kadosch”.

Um Grande Capítulo soberano e independente foi fundado e estabelecido em Frankfurt em 1783 para regular, administrar e orientar o sistema filosófico adotado no ecletismo, ficando como guardião de sua liturgia.

O Rito Eclético no Uruguai

A Maçonaria Eclética foi introduzida no Uruguai em 1882, por Dr. Justino Jimenez de Aréchaga Moratório, quando da cisão que ocorreu no Grande Oriente do Uruguai e seu Supremo Conselho (Gran Oriente del Uruguay y su Supremo Consejo). Ele reuniu diversos maçons cientistas, filósofos e poetas liberais para estabelecer a maçonaria liberal republicana no Uruguai, e também, reformar o sistema maçônico praticado na Cisplatina e Rio da Prata por suas Lojas.


Partindo dessa necessidade, um grupo de estudiosos sob o comando e a direção do Grande Presidente do Conselho dos Ritos, Irmão Lino G. Abelino Arroyo, com os espíritos críticos e renovadores, a partir do signo do ecletismo alemão, desenvolveram um novo sistema maçônico a ser seguido pelas Lojas do Grande Oriente. Analisaram todos os ritos e rituais praticados na Cisplatina e Rio da Prata extraindo deles a essência da maçonaria tradicional, regular e moderna, reduzindo seus inúmeros graus em um único compendio maçônico. Esse no sistema absolveria os inúmeros colégios litúrgicos existentes.


Dr. Jiménez para atender o novo sistema maçônico compilado separou da estrutura do Gran Oriente de la Masonerie del Uruguay os graus simbólicos dos graus filosóficos (conforme determinava as resoluções do Congresso de Lausanne de 1875, ou seja, uma Grande Loja ou um Grande Oriente administra os Graus Simbólicos, já os Graus Filosóficos, seriam administrados por um auto corpo denominado de Supremos ou Conselho), alterando os arts. 83, 84, 85 do Código Maçônico, promulgado e aprovado em 04 de maio de 1882.


Desse principio basilar, constituiu, consagrou e instalou, em outubro 1882, o Rito Eclético no seio do Grande Oriente da Republica Oriental do Uruguai (Gran Oriente de la Republica Oriental del Uruguay) e um Auto Corpo para administrar a maçonaria filosófica dos ritos azuis (Adonhiramita, Moderno ou Frances, Inglês, e Eclético), denominado de SUPREMO GRANDE CAPÍTULO DA MAÇONARIA ECLÉTICA (Supremo Gran Capítulo da Masoneria Ecléctica), substituindo o antigo Colégio dos Ritos Azuis, instalado em Montevideo em 1856. Seu primeiro presidente foi o Irmão Rufino P. Ravia, sendo sucedido em 1885, pelo Irmão Lino G. Abelino Arroyo.

A Estrutura da Maçonaria Eclética Uruguaia

Na sua estrutura está organizado em três Graus Simbólicos, e destes elevam-se onze graus filosóficos, compondo assim, os graus nos moldes do antigo Rito Eclético (1776-1779) divididos em seis classes distintas: Loja Simbólica ou de São João; Loja da Marca; Grande Câmara Eclética; Sublime Capítulo Eclético; Conselho Eclético de Kadosch; Soberano Concílio.

A Maçonaria Simbólica ou Maçonaria de São João

No Regime Eclético do Gran Oriente de la Masonerie del Uruguai a base principal são os Graus Simbólicos, que compreendem nos três primeiros denominados de Aprendiz, Companheiro e Mestre. Esse alicerce sustenta a hierarquia dos onze Graus da Maçonaria Filosófica Eclética. Os graus simbólicos ficam sob a administração exclusiva da Obediência Simbólica e autoridade suprema do seu Grão-Mestre.


1ª Classe - Loja Simbólica ou de São João

Grau 1 - Aprendiz Maçom

Grau 2 - Companheiro Maçom

Grau 3 - Mestre Maçom

Maçonaria Eclética Filosófica

O Supremo Grande Capítulo da Maçonaria Eclético, potência maçônica soberana, independente, regular, legal, legítima, teísta, iniciativa, progressista e evolucionista, Oficina Chefe, reguladora e orientadora dos Altos Corpos Filosóficos da liturgia do Rito Eclético, com ascendência administrativa e disciplinar sobre os Órgãos e Corpos que lhe são subordinados.


Sua estrutura filosófica compreende em loja da Marca; Grande Câmara Eclética; Sublime Capítulo Eclético; Conselho Eclético de Kadosch; Soberano Concílio, que são designados, genericamente, de Oficinas Litúrgicas dos Altos Graus Filosóficos subordinados ao Supremo Grande Capítulo da Maçonaria Eclética. Sua estrutura foi adaptada para atender simplificadamente todas as liturgias filosóficas incluídos nos cerimoniais de diversos ritos regulares do orbi terrestre.


2ª Classe – Loja da Marca

Grau 4 - Mestre da Marca


3ª Classe – Grande Câmara Eclética

Grau 5 - Mestre Secreto

Grau 6 - Cavaleiro do Real Arco de Salomão

Grau 7 - Mestre do Triangulo Perfeito


4ª Classe - Sublime Capítulo Eclético

Grau 8 - Cavaleiro da Espada

Grau 9 - Soberano Príncipe Rosa-Cruz

Grau 10 – Patriarca Noaquita


5ª Classe – Conselho Eclético de Kadosch

Grau 11 - Príncipe do Líbano

Grau 12 - Cavaleiro Escocês de Santo André

Grau 13 - Cavaleiro Kadosch de Heredon


6ª Classe – Soberano Concílio

Grau 14 – Grande Inspetor Geral



Rito Inglês Antigo


O Antigo Rito Inglês, é um rito maçônico completo, cujos manuscritos foram preservados nas bibliotecas da aristocracia europeia. O Rito é um sistema próprio e completo do franco-maçonaria conforme fora praticado em 1730, pela Antiga Maçonaria Inglesa. É um dos rituais simbolicamente mais corretos ainda em uso pelas Lojas Simbólicas.


Rito Inglês Moderno Ou Ritual de Emulação


Chama-se Rito Inglês Moderno o rito que foi adotado depois da união de 1813, quer dizer, a união da Grande Loja dos Antigos (1751) com a Grande Loja dos Modernos (1717). O Ritual de Emulação é parte do Rito Inglês Moderno, que se constitui de vários outros rituais, tais como: Stability, Taylor, Bristol, Logic, Oxomensis, Oxford, West End, Sussex e Nigerian.


Ritos Praticados no Brasil


Rito de York;

Rito Adonhiramita;

Rito Brasileiro;

Ritual de Emulação (Rito Inglês Moderno);

Rito Escocês Antigo e Aceito;

Rito Escocês Retificado;

Rito de São João ou Rito Húngaro

Rito Moderno (Francês);

Rito de Memphis-Misraïm;

Rito de Memphis

Rito de Schröder (Alemão).


Ritos Praticados na América Latina


Rito Adonhiramita;

Rito Eclético Uruguayo:

Ritual de Emulação (Rito Inglês Moderno);

Rito Escocês Antigo e Aceito;

Rito Escocês Retificado;

Rito Moderno (Francês);

Rito de Memphis-Misraïm;

Rito de Schröder (Alemão).

No mundo existiram centenas de ritos ou sistemas maçônicos no século XIII-XIX, e pouco mais de cinquenta são praticados atualmente. Os mais utilizados pela maçonaria são o Rito de York, o Rito de Emulação, o Rito Escocês Antigo e Aceito, o Rito Moderno ou Francês e o Rito Adonhiramita, perfazendo mais ou menos um total de 98%, os demais ritos somam mais ou menos 2%.



Fonte: Boletín Masónico del Gran Oriente de la Republica Oriental del Uruguay, 1882.; Johann Freidrich Pregel: „Etwas für Freymäurer besonders für Brüder im ersten Grad des eklektischen Systems ,1787; General Handbook of Freemasonry de C. Lenning, Volume 1, Brockhaus, 1863; Bundesurkunde der Eklektischen Maurerei, 1783.

ARLS AMOR E CARIDADE Nº313

Rua Francisca Massaro Farinha, 385 - Ribeirânia, Ribeirão Preto - SP, CEP 14096-460

Sessões: Sextas-Feiras 20:00h