EXCELSO CONSELHO DA MAÇONARIA ADONHIRAMITA


O EXCELSO CONSELHO DA MAÇONARIA ADONHIRAMITA




Em 1953 o “Grande Capítulo dos Cavaleiros Noaquitas” passaria a se chamar “Muito Poderoso e Sublime Grande Capítulo dos Cavaleiros Noaquitas para o Brasil”.

Em 15 de abril de 1968, era assinado entre o Grão-Mestre do GOB, Álvaro Palmeira e o Presidente do “Muito Poderoso e Sublime Grande Capítulo dos Cavaleiros Noaquitas para o Brasil”, Josué Mendes, um Tratado de Aliança e Amizade.

Em 1973, ocorre a grande “reviravolta” no Rito Adonhiramita. Neste ano, treze Grandes Orientes Estaduais se desligaram do Poder Central do GOB. Isso, significando para o GOB uma perda catastrófica, a maior parte de suas Lojas praticantes do Rito Adonhiramita que fundaram ou migraram para as potencias autônomas passam a praticar o Rito Escocês.

Para recuperar o Rito Adonhiramita dentro do GOB e dentro do “Muito Poderoso e Sublime Grande Capítulo dos Cavaleiros Noaquitas para o Brasil” era necessário atrair maçons de outros ritos. Em 1973, sob o comando do Irmão Aylton Menezes, o “Muito Poderoso e Sublime Grande Capítulo dos Cavaleiros Noaquitas para o Brasil” muda seu nome para “Excelso Conselho da Maçonaria Adonhiramita” (ECMA). Restava ainda a completa reformulação do Rito para que se tornasse mais atrativo para uma população maçônica majoritariamente do REAA, ou seja, habituada a um sistema de 33 Graus e que não se sentiria atraída por um rito com apenas 13 graus.

Em 2 de junho de 1973, ano em que se comemorava o centenário da criação do Grande Capítulo de Cavalheiros Noachitas pelo Grande Oriente do Brasil, ocorreu uma reforma administrativa que o transformou no Excelso Conselho da Maçonaria Adonhiramita, passando a partir de então para 33 graus. Dentro de 9 anos, ou seja, em 1982, o Rito Adonhiramita no seio do GOB e do ECMA estava completamente transformado: introduziu os 33 graus; cerimonial de incensação; cerimonial de das luzes; ou seja, uma acentuada influência ocultista e uma tendência a contínuas modificações.

Atualmente, o Rito Adonhiramita é praticado no Brasil por todas as potências regulares e legitimas, em Portugal, no Uruguay e na França.