APRÍGIO RELLO DE PAULA ARAÚJO

CORONEL APRÍGIO RELLO DE PAULA ARAÚJO





Coronel da Guarda Nacional, nessa qualidade fez a Campanha do Paraguai, maçom republicano, ante escravocrata, progressista e inovador. Nasceu em 1853, na Vila de Itaguaí, RJ. Filho do Capitão Antônio Rello de Paula Araújo e D. Maria Hortência Corrêa Araújo. Coronel Aprígio era irmão dos advogados, Antônio Rello de Paula Araújo Filho e Josino Rello de Paula Araújo. Contraiu núpcias com D. Maria de Mello Araújo, com ela teve vários filhos, dentre eles: Dr. Antônio Rello Sobrinho; Dr. Aprígio Rello de Paula Araújo Filho (Aprígio Filho foi sanitarista e fármaco. Em de Boa Esperança do Sul foi vereador e prefeito. Também foi vereador em Araraquara na legislatura de 1954 renunciando em 1955. Contraiu núpcias com D. Barbara do Amaral Santos e com ela teve filhos); dentre outros. Sócio fundador dos Clubes Republicanos Sena Madureira e Felício dos Santos. Militar de carreira do Quartel General do Batalhão Patriótico Acadêmico. Contribuiu no combate da epidemia de febre amarela prestando relevantes serviços como fármaco ao Império do Brasil. Depois de se estabelecer comercialmente em Ribeirão Preto, anos depois, assentou sua base comercial e politica na Vila de nossa Senhora Aparecida de Sertãozinho, mantendo sempre sua residência oficial Itaguaí a onde mantinha estabelecimentos comerciais. .Em 1906, foi condecorado com patente de Coronel da Guarda Nacional. Na vida pública foi eleito vereador de Sertãozinho nas legislaturas 1896-1909. Assumiu a intendência/prefeitura de Sertãozinho nas legislaturas de 1899-1909, além de assumir os cargos de delegado e subdelegado. Com o espirito desbravador, unido ao Amor Fraternal, com o Maçom Joaquim Francisco da Silva Onça, então na responsabilidade de criar o distrito de Pontal, o Coronel Aprígio Rello, na qualidade de Intendente da Câmara Municipal de Sertãozinho, através de uma escritura pública, datada de 09 de agosto de 1904, comprou e pagou 600$000 (seiscentos mil réis), àqueles que haviam doado, o valor das terras, comprometendo-se a criar o distrito, o que aconteceu com a aprovação de lei no mesmo ano de 1904. Eleito provedor da Santa Casa da Misericórdia de Sertãozinho de 1897 -1910. Era formado pela Universidade de Pharmacia do Rio de Janeiro em fármaco clinico e toxicológico, nessa qualidade, assumiu como farmacêutico clínico do Ministério da Agricultura. Foi presidente e vice-presidente do Centro Republicano do Distrito Federal, conforme noticiado no Almanak Laemmert: Administrativo, Mercantil e Industrial, Ano 1922\Edição A00078-00079. Como comerciante foi dono da “Pharmacia Rello d’Araújo & Cia” na Rua da Estação, 18, Sertãozinho, conforme noticiado no jornal O Paiz, Ano 1910\Edição 09429. Um grande produtor de café e gado na nossa região, sempre inovando o processo de produção agrícola. Era proprietário de uma indústria denominada Rello de Araújo & Moura em Itaguaí-RJ em sociedade com um parente, conforme noticiado no jornal A Imprensa, Ano 1911\Edição 01426. Fundou em 1901, o primeiro Grupo Escolar de Sertãozinho, levando educação e cultura para município. Com a participação de outros maçons republicanos, fundou o Partido Liberal Republicano - PRL de Sertãozinho. Amante da literatura e da arte, fundou a Associação Cívica Brasileira em 1917, conforme noticiado no jornal O Imparcial: Diário Ilustrado do Rio de Janeiro, Ano 1917\Edição 01488. Ocupou a 15ª Cadeira de Letras da Academia Sertanezina de Letras - ASEL. Na maçonaria foi iniciado na Loja Maçônica Amor e Caridade. Assumiu a presidência da mesma Loja no período de 1886-1887. Em 1894, estando a Loja Maçônica Amor e Caridade sem atividades, em conjunto com outros membros e outros maçons que se estabeleciam comercialmente em Sertãozinho, fundou a Loja Maçônica Amor e Luz. Em 1898, foi elevado ao Grau 32 e no ano seguinte ao Grau 33 do Rito Escocês Antigo e Aceito. Ainda em 1898, fundou o Capitulo Amor e Luz. Em 1906, em conjunto com membros da Loja Amor e Caridade, fundou em Ribeirão Preto a Sociedade Beneficente de Mutualidade Maçônica, tendo com diretoria os seguintes membros: Presidente: Dr - Eliseu Guilherme Cristiano; Vice-Presidente - Capitão Renato Jardim; Tesoureiro - Coronel Aprigio Rello; Adjunto - Capitão Mario de Castro Pinto; Secretário - Alfredo Rodrigue Teixeira; Conselho Fiscal - Dr. Augusto Ribeiro de Loyolla; Pedro Albernaz, Capitão José Ferreira da Fonseca; conforme noticiado no jornal Correio Paulistano, Ano 1906\Edição 15505. Coronel Aprígio faleceu no dia 17 de setembro de 1923, em Sertãozinho, conforme noticiado no jornal Correio da Manhã (Ano 1923\Edição 08964).